SGCI News

Pesquisadores do sul da África transformam plantas nativas em produtos alimentícios para combater as deficiências de micronutrientes. Por Nelson Mandela Ogema As receitas de alimentos desenvolvidas a partir de plantas…

Pesquisadores do sul da África transformam plantas nativas em produtos alimentícios para combater as deficiências de micronutrientes.

  • Pesquisadores de Moçambique e da Namíbia desenvolvem receitas com plantas indígenas.
  • As receitas têm o objetivo de tratar as deficiências de micronutrientes e reduzir as perdas pós-colheita.
  • O desenvolvimento desses produtos pode levar ao aumento da demanda e do acesso ao mercado.

Por Nelson Mandela Ogema

As receitas de alimentos desenvolvidas a partir de plantas nativas e adaptadas aos climas locais podem melhorar a nutrição e aliviar a escassez de alimentos nas famílias rurais da África Subsaariana, segundo pesquisadores.
Os pesquisadores africanos criaram produtos – incluindo geleias, sucos, xaropes, iogurtes e sopas instantâneas – usando plantas como laranja selvagem, nêspera selvagem, amaranto, baobá, hibisco e violeta.
Suas receitas têm como objetivo tratar as deficiências de micronutrientes na região e reduzir as perdas pós-colheita de frutas e legumes nativos, afirmam os pesquisadores da Universidade da Namíbia e do Instituto de Pesquisa Agrícola de Moçambique.
Penny Hiwilepo-van Hal, coautora do projeto e chefe do Departamento de Ciência e Sistemas Alimentares da Universidade da Namíbia, disse que desde 2020 a equipe tem processado, ampliado e comercializado produtos alimentícios derivados de frutas e plantas subutilizadas.

“O site [project] busca fornecer as bases técnicas e de mercado para o aumento da escala por meio do desenvolvimento de cadeias de valor sustentáveis e da comercialização bem-sucedida desses produtos”, disse Hiwilepo-van Hal.

“Nosso objetivo é resolver os problemas de dados científicos e técnicos inadequados para estabelecer e desenvolver cadeias de valor sustentáveis para a utilização de frutas e legumes nativos e promover a comercialização”, explicou ela.

A pesquisa foi financiada pela Science Granting Councils Initiative (SGCI) e coordenada pelos Science Granting Councils da Namíbia e de Moçambique – a Comissão Nacional de Pesquisa, Ciência e Tecnologia da Namíbia e o Fundo Nacional de Pesquisa de Moçambique.

Chinemba Samundengu, co-pesquisador e professor do Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade da Namíbia, acredita que o desenvolvimento de produtos alimentícios indígenas pode ajudar a popularizar alimentos pouco utilizados.

“O aumento da utilização dessas frutas e legumes nativos por meio do desenvolvimento de produtos pode levar a uma maior demanda e acesso ao mercado”, disse Samundengu.

“Isso serviria de motivação para o desenvolvimento das cadeias de valor dessas espécies nativas.”

Benefícios para a saúde e o clima

Hiwilepo-van Hal disse que a equipe de pesquisa visou espécies de plantas com benefícios específicos para a saúde, incluindo aquelas que “aumentam a imunidade, reduzem o risco de deficiências de micronutrientes, infertilidade e cânceres”.

“[For] violeta, as folhas podem ser usadas na nutrição humana para reduzir as deficiências de hemoglobina e infertilidade e, ao mesmo tempo, inibir o desenvolvimento de doenças crônicas por meio do efeito de antioxidantes vegetais”, explicou.

Testes preliminares de citotoxicidade – que mostram o grau de dano que uma substância pode causar às células – indicaram que, em altas concentrações, os extratos da folha de violeta poderiam ser usados potencialmente contra células humanas, como as células cancerígenas, [but] sendo necessária uma análise mais detalhada de citotoxicidade e fitoquímica, acrescentou o pesquisador.

Ela também acredita que a promoção e a adoção de plantas e frutas nativas e nutritivas serão úteis para o desenvolvimento de sistemas alimentares resistentes ao clima.

“Isso ajudará a garantir o acesso sustentável a micronutrientes a preços acessíveis em famílias rurais vulneráveis”, acrescentou.

“As variações atuais nos padrões climáticos provaram ser muito perturbadoras para os sistemas alimentares na África, afetando severamente a segurança alimentar.”

Daniel Otaye, professor associado do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade de Egerton, no Quênia, diz que a pesquisa é promissora, mas que mais estudos precisam ser feitos sobre a sustentabilidade e a comercialização em larga escala dos produtos vegetais nativos.

“A África está enfrentando vários desafios, incluindo mudanças climáticas e segurança alimentar. Os resultados desse estudo podem ajudar a resolver alguns desses desafios”, disse ele.

A SGCI é uma iniciativa multilateral criada para fortalecer as capacidades institucionais das agências públicas de financiamento científico na África Subsaariana para apoiar pesquisas e políticas baseadas em evidências que contribuirão para o desenvolvimento econômico e social.

SGCi themes


Countries


Categories


Related News

Plantas nativas apoiam a nutrição no sul da África

Pesquisadores do sul da África transformam plantas nativas em produtos alimentícios para combater as deficiências de micronutrientes. Por Nelson Mandela Ogema As receitas de alimentos desenvolvidas a partir de plantas nativas e adaptadas aos climas locais podem melhorar a nutrição e aliviar a escassez de…

Convite para um “Intercâmbio científico entre a África e a Alemanha no campo das neurociências”

The Science Granting Councils Initiative (SGCI) is working with Botswana to build stronger science systems by supporting the establishment of the Botswana National Research Fund (BNRF). A BNRF terá a tarefa de criar a estratégia de pesquisa de Botsuana, que incluirá ajudar o governo e…

| | | | |

SGCI funded projects

Em breve, você receberá informações sobre os projetos financiados pela SGCI!

Em breve, você receberá informações sobre os projetos financiados pela SGCI!