Home < Work and Impact < Stories of Change

Story of Change

Cinco anos após seu lançamento, o PENSA – um aplicativo móvel desenvolvido em Moçambique – foi acessado por mais de quatro milhões de pessoas, emergindo como a principal plataforma de…

Speed read

Cinco anos após seu lançamento, o PENSA – um aplicativo móvel desenvolvido em Moçambique – foi acessado por mais de quatro milhões de pessoas, emergindo como a principal plataforma de saúde digital do país.

O aplicativo móvel está permitindo que comunidades remotas e carentes do país recebam informações e serviços essenciais de saúde, mesmo usando telefones de baixa tecnologia com funções limitadas, afirmam seus desenvolvedores.

Valter Cumbi, coordenador do projeto PENSA e fundador da empresade tecnologia da informação   Source Code, disse: “Desde o lançamento do PENSA, há cinco anos, ele já se tornou a maior plataforma digital de saúde em Moçambique, com mais de 60 milhões de visitas e consultas e quatro milhões de usuários.”

Cumbi disse que a motivação para o PENSA começou durante a pandemia de Ebola de 2014 a 2016.

Nossa esperança é que o PENSA não apenas ajude as comunidades a prevenir doenças e levar uma vida mais saudável, mas também permita que suas preocupações e opiniões sejam ouvidas.Valter Cumbi, PENSA (Plataforma Educativa de Informação sobre a Saúde)

“Enquanto éramos inundados com informações e medidas preventivas na TV, e-mails e sites, percebemos que, mesmo a 30 minutos da capital, a grande maioria desconhecia completamente o Ebola e como ele estava afetando os africanos”, explicou Cumbi.

“Percebemos que os canais de comunicação convencionais não estavam atingindo esse grande grupo demográfico e procuramos corrigir isso por meio da criação de uma plataforma mais equitativa.”

Ele disse que novos recursos, conteúdos e funcionalidades da PENSA estão sendo continuamente adicionados ao aplicativo.

“Este ano, adicionamos doenças bucais, kits de autoteste de HIV, locais de farmácias públicas e estamos no processo de adicionar uma versão do WhatsApp”, disse Cumbi.

“Continuaremos a inovar e a ampliar nossa plataforma para diferentes setores e talvez até mesmo para além das fronteiras.”

De acordo com o Ministério da Saúde de Moçambique, o aplicativo PENSA foi projetado para ajudar os grupos mais vulneráveis do país a desfrutar da melhor saúde possível a um custo acessível.

Ele fornece informações sobre tudo, desde tuberculose e malária até saúde materna e vacinação infantil.

Muitos moçambicanos são vulneráveis a doenças, especialmente aqueles que vivem abaixo da linha da pobreza, em áreas rurais distantes das instalações de saúde mais próximas e com acesso limitado à Internet.

“Vimos que o projeto teria um impacto socioeconômico sobre as comunidades, pois prestava serviços que as comunidades podiam usar”, disse Manecas Alferes, especialista em monitoramento, avaliação e aprendizado do Fundo Nacional de Pesquisa em Moçambique.

O PENSA foi financiado pelo Fundo Nacional de Pesquisa em Moçambique por meio da Agência Sueca de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional.

De acordo com a Alferes, o fundo apoiou a criação da plataforma após um processo competitivo que levou à seleção da Source Code para criar e gerenciar o aplicativo.

“O Fundo Nacional de Pesquisa mostrou [the concept] aos formuladores de políticas, garantindo que é possível fazer uma ligação entre as indústrias dos setores público e privado para produzir bons resultados que possam impactar a sociedade”, disse Alferes.

Embora comemorando as conquistas do PENSA, Cumbi, fundador do PENSA, diz que garantir a sustentabilidade da plataforma a longo prazo continua sendo uma preocupação importante. O PENSA fornece seus serviços gratuitamente aos usuários finais, o que torna a sustentabilidade financeira uma consideração fundamental.

“Nosso maior desafio é obter suporte para asustentabilidade de longo prazo do   , pois fornecemos nossos serviços gratuitamente ao usuário final”, acrescentou.

“Isso é particularmente frustrante, considerando as lacunas que identificamos e que podemos preencher com as novas ideias de projetos e inovações que temos.”

Cumbi diz que a plataforma agora é uma fonte de coleta de dados e realiza pesquisas para parceiros e instituições de saúde sobre tópicos como a aceitação da vacinação.

“Nossa esperança é que o PENSA não apenas ajude as comunidades a prevenir doenças e a levar uma vida mais saudável, mas também permita que suas preocupações e opiniões sejam ouvidas pelas instituições de saúde para oferecer umsistema de saúde pública   que esteja alinhado com suas necessidades e realidade”, acrescentou.